Júnior

Júnior

JúniorLeovegildo Lins da Gama Junior, mais conhecido como Junior, foi um dos melhores jogadores futebol de todos os tempos, entre os três maiores laterais-esquerdos, e um dos grandes ídolos da história do Flamengo.

Fez parte do elenco mais vitorioso da história do Flamengo e é o recordista de partidas oficiais pelo clube, com 857 jogos.

Fez também parte de grandes elencos da Seleção Brasileira, participou das Olimpíadas de Montreal em 1976 e das Copas do Mundo de 1982 e 1986.

Junior nasceu em João Pessoa no dia 29 de junho de 1954, mas veio cedo para o Rio de Janeiro.

Chegando à Cidade Maravilhosa, o garoto chamou a atenção do treinador do Flamengo, Modesto Bria, quando disputava peladas na Praia de Copabacana. Levado para a Gávea, estreiou como profissional no ano de 1974. No início, era lateral direito, mas atuava também no meio-de-campo.

Logo um mês após sua estréia no time de cima, o jovem Junior demonstrou todo o seu talento e sua estrela. Marcou dois gols em uma partida decisiva contra o América, que foi fundamental para a conquista do Campeonato Estadual daquele ano.

JúniorAnos depois, sob o comando de Cláudio Coutinho, Junior passou a jogar improvisado, como lateral-esquerdo. E a estrela dele brilhou mais uma vez. Por muito tempo. Nascia um dos maiores jogadores na posição na história do futebol brasileiro, comparado por muitos ao grande Nilton Santos.

Conhecido como “Capacete”, devido ao seu cabelo black power, o jogador fez parte da Era de Ouro do Flamengo, e é o segundo maior ídolo da história do Clube, atrás apenas de Zico. Com muita competência, bons passes e muita habilidade, Junior foi decisivo nas maiores conquistas dos 112 anos de glórias do Flamengo. Ganhou seis Taças Guanabara, uma Taça Rio, seis Campeonatos Cariocas, uma Copa do Brasil, quatro Campeonatos Brasileiros, a Taça Libertadores da América e o Mundial Interclubes.

JúniorJunior ficou dez anos seguidos no Flamengo, de 74 a 84, quando deixou o Clube para conseguir sua independência financeira, ao ir atuar no Torino e no Pescara, da Itália. Mas, como diz o ditado, “o bom filho à casa torna”. Mais experiente, o “Capacete” virou “Vovô Garoto”, pela velocidade e pelo ritmo que imprimia apesar da idade, e ajudou o Flamengo a conquistar a Copa do Brasil, em 1990, e o Penta Campeonato Brasileiro, em 1992, cujo grande craque foi ele. Na Seleção, Junior participou da equipe que disputou a Copa de 1982, considerada por muitos a melhor Seleção Brasileira de todos os tempos, e atuou também em 1986.

Se despediu dos campos em 93, e depois ainda treinou o Rubro-Negro em duas oportunidades: de 1993 a 1994 e em 1997. Foi vice-campeão carioca em 94, e totalizou 35 vitórias, 21 empates e 20 derrotas, em 76 partidas. Pouquíssimo tempo perto dos treze anos em que vestiu o Manto Sagrado como jogador, sendo o recordista em número de jogos com a camisa rubro-negra: 874.

Flamengo Campeão

Flamengo Campeão da Copa Mercosul 1999

A Copa Mercosul foi uma competição disputada entre os anos de 1998 e 2001 pelos principais clubes de Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile. A competição foi criada para substituir a Supercopa dos campeões da Libertadores da América e os integrantes eram escolhidos pela emissora de televisão que organizava o torneio. Foi substituída pela Copa Sul-Americana em 2002.

Após uma campanha não muito boa na competição no ano de 1998, o Rubro-Negro, comandado pelo técnico Carlinhos, fez bonito no ano seguinte, e chegou à decisão da Copa Mercosul. Depois de partidas memoráveis, como um 7×0 diante do Universidad do Chile e um 4×0 pra cima do Independiente, da Argentina, o Rubro-Negro chegou à final do torneio contra outra equipe brasileira. O adversário (e favorito ao título) era o Palmeiras, atual campeão da competição, e que tem uma grande história na Copa Mercosul. Chegou à três finais do torneio (mas levou o troféu apenas uma vez).

Foi em 16 de dezembro de 1999 que foi disputada a primeira partida da final. Diante de um Maracanã não muito cheio, o time da Gávea proporcionou uma partida emocionante aos seus torcedores. Em um jogo cheio de viradas no placar e com muitos gols, a equipe rubro-negra venceu por 4×3, e deu o primeiro passo rumo a mais um título internacional na sua história, mesmo sem o grande jogador daquela campanha, o atacante Romário, que desfalcou o Fla nas partidas decisivas.

E, no dia 20, as equipes fizeram o jogo de volta da finalíssima. Em um Palestra Itália com mais de 30 mil pessoas, o time da Casa abriu o placar, mas não conseguiu segurar o resultado da partida, que acabou terminando em 3×3, resultado que deu o título ao Flamengo, campeão fora de casa, derrotando o favorito Palmeiras, que sonhava com o bicampeonato.

1° Jogo da Final

Palmeiras e Flamengo fizeram uma decisão eletrizante, com dois grandes jogos de futebol, dignos de uma final de torneio internacional. Na primeira partida, realizada no Maracanã, levou a melhor o time carioca.

No primeiro tempo, o Flamengo começou melhor, e logo aos 5 minutos abriu o marcador com uma bela cabeçada de Juan, completando cobrança de escanteio vinda do lado direito do ataque rubro-negro. Mas, o time carioca se acomodou e o Palmeiras não deixou o Fla em paz até fazer o gol de empate, aos 44 minutos, com o zagueiro Júnior Baiano, em chute de dentro da pequena área, após falha do goleiro rubro-negro, Clêmer.

No segundo tempo, o pequeno público que foi ao Maracanã – o estádio está em reformas para o Mundial de Clubes e só foram colocados 20 mil ingressos – garantiu o seu ingresso. Em apenas seis minutos, o torcedor viu quatro gols.

Aos 22 minutos, o atacante colombiano Asprilla deixou o Verdão na frente, em mais uma falha do goleiro Clêmer, e de toda a defesa do Fla. Mas, aos 25 minutos, foi a vez de Caio marcar. O atacante empatou a partida para o Flamengo, em uma cabeçada que completou cruzamento de Leandro Machado. Dois a dois.

No entanto, em outra falha da defesa rubro-negra, o Diabo Loiro, Paulo Nunes, apareceu sozinho dentro da área do Fla, e desempatou, aos 27 minutos, deixando o Palmeiras na frente. Um minuto depois, o inspirado Caio marcou novamente para o Fla, após tabela na entrada da área, deixando tudo igual: 3 a 3.

Mas a emoção maior da partida aconteceu com Reinaldo aos 44 minutos. Após o próprio atacante perder um gol feito, dentro da pequena área, ele escorou de cabeça cruzamento de Athirson, e viu a bola morrer mansa no fundo das redes do Palmeiras. Era a decisiva virada rubro-negra. Quatro a três, em um jogo emocionante, que terminou premiando os torcedores e jogadores do Fla, que viriam a conquistar o título na semana seguinte.

Ficha Técnica

FLAMENGO 4×3 PALMEIRAS
1º Jogo da Final da Copa Mercosul 1999

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 16/12/1999

Gols: Juan (FLA) 5’/1ºT, Júnior Baiano (PAL) 44’/1ºT, Asprilla (PAL)22’/2ºT, Caio (FLA) 25′ e 28’/2ºT, Paulo Nunes (PAL) 27’/2ºT e Reinaldo (FLA) 44/2ºT

FLAMENGO: Clêmer, Maurinho, Célio Silva, Juan e Athirson; Leandro Ávila, Marcelo Rosa (Rodrigo Mendes), Leonardo Inácio e Iranildo (Caio); Leandro Machado e Reinaldo. Técnico: Carlinhos.

2° Jogo da Final

Após a emocionante vitória de virada pelo placar de 4×3 no Maracanã, o Flamengo foi embalado para São Paulo enfrentar o Palmeiras, mesmo sabendo que uma derrota por 1×0 tiraria o título da Gávea. Carlinhos armou uma equipe sem medo, e que, mesmo sem Romário, assim como no primeiro jogo da final, soube se portar muito bem. E, como manda o figurino, ganhou mais um título na raça e na emoção.

Empurrado por 32 mil torcedores e pela promessa de um prêmio de US$ 1 milhão de bicho, o Palmeiras começou pressionando a equipe flamenguista, mas de forma desordenada. Paulo Nunes, Asprilla, Euller e Alex tentavam resolver tudo sozinhos, abusando dos lances individuais. A torcida começou a apoiar e, a partir de então, o time começou a atuar de forma mais coletiva. Aos 20 minutos, o zagueiro do Fla Célio Silva tentou dar um bico pra frente e pegou mal na bola. Paulo Nunes recuperou e tocou para Zinho, que deixou o lateral Júnior livre dentro da área. Ele foi derrubado por Leandro Machado. Pênalti, que Arce converteu colocando o Verdão com vantagem no placar.

Logo em seguida, o Fla ameaçou em contra-ataque rápido pelo lado direito. Em tabela de Caio com Rodrigo Mendes, saiu um bom cruzamento para Reinaldo, mas a zaga palmeirense fez o corte. O jogo ficou equilibrado até o fim da primeira etapa, quando o Palmeiras vencia por 1×0 e tinha o título nas mãos.

Na volta do intervalo, em um contra-ataque o Flamengo marcou o gol de empate, com Caio, na sobra de um lance confuso na área alviverde, na saída do goleiro Marcos do gol.

Para não fugir à regra, o jogo continua eletrizante. Aos 11 minutos, Rodrigo Mendes acerta um chutaço de fora de área, após pegar sobra da zaga palmeirense, e vira o jogo: 2 a 1 Mengo. A torcida rubro-negra ainda comemorava quando Arce, de falta, empatou novamente a partida, em falha do goleiro Clemer. Aos 22, o meia palmeirense Zinho fez boa jogada pela ponta e cruzou na cabeça de Paulo Nunes, que virou novamente o jogo. Mas de nada adiantou para os alviverdes.

Assim como no Maracanã, o Flamengo viria a garantir o resultado favorável no finalzinho da partida. Logo após o gol de Paulo Nunes, o atacante Leandro Machado quase empatou para o Fla, de cabeça. Era um aviso de que o gol do empate e do título estava por vir. Depois, foi a vez de Iranildo, após boa jogada individual, quase marcar. Estava pintando o gol rubro-negr. E ele veio. Desta vez, foi aos 38 minutos da segunda etapa. Em outro contra-ataque bem armado, Lê fez grande jogada individual, tabelou com Reinaldo, saiu de frente para o gol do goleiro Marcos, e com um toque de categoria, balançou as redes e saiu para a comemoração, em prantos. Era o gol do título flamenguista.

A vitória heróica do Rubro-Negro fez a alegria dos torcedores que compareceram ao Palestra Itália e também da Nação ao redor do Brasil. No Rio de Janeiro, a festa foi muito grande. Era o Flamengo voltando a conquistar um importante torneio internacional.

Ficha Técnica

PALMEIRAS 3×3 FLAMENGO
2º Jogo da Final da Copa Mercosul 1999

Local: Parque Antárctica, São Paulo (SP)
Data: 20/12/99

Gols: Arce (PAL) 20’/1ºT, Caio (FLA) 5’/2ºT, Rodrigo Mendes (FLA)11’/2ºT, Arce (PAL) 20’/2ºT, Paulo Nunes (PAL) 22’/2ºT e Lê (FLA) 38’/2ºT

FLAMENGO: Clêmer, Maurinho, Célio Silva, Juan e Athirson; Leandro Ávila, Marcelo Rosa (Lê), Leonardo Inácio (Rodrigo Mendes) e Caio (Iranildo); Leandro Machado e Reinaldo. Técnico: Carlinhos.

Especial Geraldo

Especial Geraldo

Geraldo

A esmagadora maioria dos mais de 40 milhões de torcedores do Flamengo não sabe quem foi Geraldo Cleofas Dias Alves. Se pelo nome completo fica mais difícil, dizendo apenas Geraldo não facilita muito. Tanto que não há muitos registros sobre ele na Internet. Mas a história poderia ser bem diferente se Geraldo não tivesse morrido de parada cardíaca durante uma cirurgia de extração de amídalas no dia 26 de agosto de 1976, quando tinha apenas 22 anos.Geraldo era um jogador driblador, que tinha um futebol que podemos chamar de moleque e um controle de bola como jamais vi em outro. De tão alegre, sempre assoviando pelos cantos, ganhou o apelido de assoviador.

Chegou ao Flamengo vindo da cidade de Barão dos Cocais, interior de Minas Gerais, e conheceu Zico na categoria juvenil. Não demorou muito para que os dois se tornassem grandes amigos e companheiros nas baladas, nos tempos em que o Galinho era solteiro. Dentro de campo, o entendimento dos dois também era total. As tabelas saiam com facilidade e os gols eram conseqüência desse entrosamento.No início da década de 70 já se dizia que, nas divisões de base do Flamengo havia dois grandes talentos promissores: Zico e Geraldo. Mas, enquanto o Galinho seguiu por uma estrada, Geraldo descuidou da saúde e se perdeu por algumas curvas no caminho. Em 1972, Zico era titular na conquista do Estadual, mas seu companheiro por seu comportamento descomprometido não vingava.Em 1973 a situação melhorou. Geraldo passou a entrar no time em alguns jogos e participou de 18 partidas na temporada. Talento havia de sobra, mas ainda faltava regularidade. Em 1974 ele já jogava como titular disputou ao todo 59 jogos com o Manto Rubro-Negro. O ano começou bem para ele, que marcou seu primeiro gol como profissional logo no dia 30 de janeiro, num jogo em que o Flamengo venceu o Vila Nova, de Goiás (4 x 0). O primeiro no Maracanã ocorreu no amistoso em que o Flamengo GOLEOU O Corinthians por 5 a 1. Mas Geraldo faria apenas outros dois gols naquele ano em que conquistaria dessa vez jogando seu segundo e último título Estadual pelo Rubro-Negro.A capacidade técnica de Geraldo já era reconhecida além das fronteiras da Gávea e, em 1975, ele acabou sendo convocado pelo técnico Oswaldo Brandão para integrar a Seleção Brasileira que disputou a Copa América. Atuou como titular nos dois jogos contra o Peru. Pelo Flamengo, jogou 62 vezes e marcou 7 gols naquele ano.

Clique aqui e veja o vídeo – Canal 100 – Geraldo Assoviador

Geraldo

Infelizmente o ano de 1976, quando ele começa a se firmar definitivamente com a camisa do Flamengo e volta a defender a Seleção, torna-se mais curto e fatídico. No início do ano ele é chamado a vestir a amarelinha. Geraldo disputa um jogo contra um combinado do Distrito Federal em fevereiro (1 x 0) e logo depois enfrenta a Argentina (2 x 1) pela Copa Roca e Taça do Atlântico. Voltou a defender a Seleção em maio, ainda por essas duas competições, e o Brasil venceu os argentinos (2 x 0) no Maracanã. Jogou ainda um amistoso contra o Universidad do México e, no dia 9 de junho, teve a oportunidade de atuar no Maracanã ao lado de Zico, sair de campo vitorioso contra o Paraguai (3 x 1) e comemorar o título de campeão. Foi o sétimo e último jogo com a camisa do Brasil.

Geraldo

Geraldo participou de 30 jogos pelo Flamengo em 1976 e marcou três gols. O último foi anotado no dia 14 de agosto, o terceiro na vitória do Flamengo sobre o Olaria, por 3 a 1, no Maracanã, pelo Segundo Turno do Estadual. Luisinho e Toninho fizeram os outros gols.Sete dias depois de balançar a rede contra o Olaria, Geraldo morreu na mesa de cirurgia após choque anafilático que provocou uma parada cardíaca. O time do Flamengo estava todo numa excursão em Fortaleza. No dia anterior havia vencido o Ceará por 2 a 0. Geraldo ficou no Rio exatamente para operar as amídalas. Ao receber a notícia, a delegação do Flamengo caiu em desespero chocada, alguns jogadores passaram mal e a equipe retornou imediatamente ao Rio.

Curiosidades

* Geraldo disputou ao todo 169 jogos como profissional do Flamengo. Na Seleção, atuou sete vezes.

* Tamanha era a capacidade técnica de Geraldo que alguns cronistas da época chegaram a comparar sua habilidade com a bola a de Pelé.

* A amizade de Geraldo com Zico era tão forte que, além de freqüentar constantemente a casa da família Antunes, em Quintino, ele era considerado um filho postiço de Seu Antunes e Dona Matilde. “É meu filho marronzinho”, costumava dizer o patriarca da família.

*Não era para Geraldo ter feito a cirurgia no dia 26 de agosto. Na verdade, o jogador, que tinha muito medo de ser operado, deveria ter retirado as amídalas no mesmo dia em que Zico corrigiu um desvio de septo. Mas Geraldo não apareceu no dia e apenas Zico fez a cirurgia na data prevista.

* Zico participou de dois amistosos em memória a Geraldo. O primeiro, no dia 6 de outubro (Flamengo 2 x 0 Seleção Brasileira), serviu para arrecadar fundos para a família do jogador, que vivia em Barão de Cocais. A segunda, em 1995, foi entre os másteres do Flamengo e de Minas Gerais, em Barão de Cocais (o Flamengo perdeu por 2 x 1 e Zico fez o gol), para possibilitar a construção do mausoléu para Geraldo.

Nome Completo: Geraldo Cleofas Dias Alves

Camisa: 8

Origem: Barão de Cocais (MG)

Nascimento: 16/04/1954

Principais Equipes: Flamengo (1972 a 1976), Seleção Brasileira (1975 e 1976).

Principais Títulos: Campeão Estadual (Flamengo-1972 e 1974); Copa Roca e Taça do Atlântico (Seleção Brasileira-1976).

Outros Prêmios: Campeão Taça Guanabara (Flamengo-1972) e do Terceiro Turno do Estadual (Flamengo-1974).

Zico

Zico

Zico“É muito pequeno, não dá”. Esta foi a frase que Arthur Antunes Coimbra ou Zico ouviu logo no inicio de sua carreira, dita pelo técnico Modesto Bria, treinador das divisões de base. Levado ao Clube pelo radialista Celso Garcia, que seguiu com perseverança, para acabar com a teimosia do técnico. E agradecemos à ele, pois em pouco tempo o franzino Zico já mostrava seu belo futebol, nas divisões do de base do Flamengo.

Maior artilheiro do Flamengo, segundo maior da Seleção Brasileira (atrás apenas de Pelé), líder do time rubro-negro em suas maiores conquistas, Zico sempre teve que suar muito para conseguir o que queria. Cedeu praticamente a sua infância em busca de um sonho, de ser jogador de futebol e de jogar pelo Flamengo. Depois de muito suor e luta, conseguiu alcançar seu objetivo! Tornou-se jogador, titular, e caiu nas graças da galera Rubro-Negra.

Mais tarde, conquistando três campeonatos brasileiros, um tricampeonato carioca, uma Taça Libertadores e um Mundial Interclubes em 1981, em Tóquio, Zico conseguiu calar os críticos e e se firmar de vez como ídolo da nação. Tornando-se a principal figura e o maior ídolo da história do Flamengo! Flamengo este que deve muito à Zico, pela sua dedicação, pelo seu amor, pela sua vontade e luta pelos seus ideais. Zico preencheu a galeria de títulos do Flamengo com os mais importantes troféus que qualquer equipe do mundo pode almejar. Mas uma proposta fez com que ele se transferisse para a Udinese, mas foi por pouco tempo.

Confira aqui o Álbum de fotos do maior ídolo do Flamengo, Zico.

A falta de ambição da Udinese acabou motivando Zico a voltar ao Flamengo. O retorno, em 1985, muito festejado pela torcida, mas, no mesmo ano, sua carreira sofreu o mais duro golpe: em uma partida contra o Bangu, Márcio Nunes fez uma falta criminosa, entrando com os dois pés no joelho esquerdo de Zico. A jogada rompeu os ligamentos cruzados do joelho do craque, que teve que se submeter a diversas operações e, segundo ele, “aprender a andar de novo”. Mais uma vez tendo que provar a sua paixão pelo futebol, e sua gana de vencer; e também demonstrou não guardar mágoas, perdoando o zagueiro Márcio algum tempo depois.

No ano seguinte, 1987, Zico encabeçou um Flamengo sensacional, que incluía jogadores experientes, como Edinho, Leandro, Andrade e Renato Gaúcho, e jovens como Leonardo, Bebeto, Zinho, Aldair e outros. O resultado foi a conquista da Copa União, o equivalente ao Campeonato Brasileiro daquele ano, o quarto da vida de Zico.

Dois anos depois, em 1989, Zico se despediu do Flamengo pela segunda vez, rumo ao Japão, onde encerrou a sua carreira como jogador profissional.

Na Seleção Brasileira

ZicoNa Seleção Brasileira, mais um desafio: ser titular. Teve que superar a desconfiança de treinadores,torcedores e imprensa e provar, com gols e belas jogadas, que tinha valor para vestir a camisa que um dia fora de Pelé: a número 10. Esta empreitada foi coroada com a convocação de Zico para a Copa do Mundo de 1982 como cérebro de um time que tinha os geniais Falcão, Sócrates, Leandro e Júnior e é até hoje considerado o melhor do Brasil desde a Copa de 70. Maior do que qualquer dificuldade era a vontade de Zico de parar quando quisesse, e não por imposição de quem quer que fosse. Com esta idéia fixa, Zico dedicou-se como nunca a seus exercícios de fisioterapia, lutando muito, para poder assim melhorar. Eram pequenos porém regulares progressos a cada fase. Mas em momento algum abaixou a cabeça e deixou de lutar pelo o que queria, sempre alcançando seus objetivos, pois mais difícil que fosse.

Confira aqui o Álbum de fotos do Jogo que deu o Título Mundial de 1981 pro Mengão. Flamengo x Liverpool

Zico conseguiu voltar a tempo de disputar a Copa do Mundo de 1986, no México, sob a batuta de Telê Santana, o mesmo da Seleção Brasileira de 1982. Zico não jogou muito, ainda por causa da contusão em 1985, e sua participação ficou marcada pelo pênalti perdido contra a França, no jogo em que o Brasil foi eliminado. Pênalti esse que foi um dos raros momentos de infelicidade da relação Zico X futebol, servindo como uníco álibe de quem coloca a carreira gloriosa de Zico em questão. Mas quantos jogadores já não erraram pênaltis, ou cometeram erros marcantes em horas de decisão? Isto aconteceu, e serviu de experiência para o Galinho, que deu a volta por cima e hoje é sempre lembrado por suas atuações e seu amor pelo futebol.

Recentemente, em março de 1998, foi convidado pela CBF para ser o coordenador-técnico da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1998, na França. Disse que aceitou o convite “para servir ao país”. Na bagagem, ele leva para o convívio com os jogadores que vão disputar a Copa da França a experiência de três Mundiais (78, 82, 86), dez anos de seleção brasileira (1976-1986), e 96 gols com a camisa “canarinho”, o segundo maior artilheiro, atrás apenas de Pelé, com a média de 0,76 gols por jogo. Quis o destino que Zico, o maior atacante brasileiro depois do Rei Pelé, não fosse campeão mundial pela seleção brasileira. Foi campeão interclubes, no show de bola diante do Liverpool, em 1981, e com a camisa do Flamengo ganhou tudo o que disputou. Mas esse estigma não o perturba. “Outros grandes craques brasileiros também não tiveram a felicidade de ser campeões mundiais”, diz ele. “Meu compromisso com a CBF, acertado pessoalmente com o presidente Ricardo Teixeira, terminará na Copa da França. Depois do penta, se Deus quiser, estarei de volta ao Kashima e ao CFZ do Rio”. O Galinho estreou com pé-quente, na vitória de 2 a 1 sobre a Alemanha, em Stuttgart. Mas infelizmente o Brasil não levou o Penta, e agora Zico está de volta as suas atividades normais. Mas mesmo assim valeu, Zicão!

Fonte: Flapédia

Presidente

Presidente Kléber Leite

O pior presidente da história do clube. Levou o Flamengo ao fundo do poço, financeira e moralmente, pois fez inúmeras contratações (ao todo vendeu e comprou mais de 100 jogadores). Sua administração infelizmente foi em um momento histórico para o clube, o ano do centenário (1995). Começou de forma impressionante, trazendo Romário da Espanha e vários outros jogadores que a imprensa considerava craques, mas que ao vestirem o manto sagrado, tremeram e levaram o clube aos maiores vexames de sua história. O clube quebra vários recordes negativos, tais como 4 vice-campeonatos “algo que era exclusivo do “clube da colônia portuguesa”.(Carioca e Super Copa da Libertadores em 95, Rio-São Paulo e Copa do Brasil de 1997), com um agravante: todos dentro do Maracanã lotado, causando enorme decepção para a torcida e muitas humilhações por parte da torcida arco-íris.

O Flamengo também correu risco de rebaixamento no brasileiro de 1995, que só não ocorreu, pois na época só eram rebaixados dois clubes e um deles, desde o começo do campeonato, já deixava claro que seria rebaixado: o União São João (SP). Também teve derrotas por WO nos campeonatos carioca de 97 e 98, fazendo lembrar os idos tempos do amadorismo. Vale lembrar também que em sua administração o Fluminense foi campeão carioca em 1995, após 10 anos de fila; o Botafogo foi campeão brasileiro também em 1995 (título inédito) e campeão carioca em 1997. O Vasco ganhou o carioca e a Libertadores em 1998 e o brasileiro em 1997. São fatos que deixaram profundas marcas negativas na história, levando o nome do clube ao descrédito e uma crise financeira que perdura até aos dias de hoje (2005).

Mandatos : 1995 – 1996 – 1997 – 1998